Árvore seca

Por Alex Maktub 10/07/2021 - 09:20 hs

Uma das imagens mais mentirosas que o mundo nos proporciona é a presença materializada de uma árvore seca. Digo presença, porque podes observar: defronte a uma árvore seca o mistério está apresentado. Uma vastidão de galhos, cascos, lascas e matéria inóspita daquilo que parece não ter mais vida, mas que quase sempre tem. Árvore seca é fonte de persistência, ainda que no fundo seja talvez um conjunto amortecido do que um dia cumpriu sua missão.

É mentirosa porque nem sempre é o que aparenta ser. Pensava que as árvores secas eram fracas e derrotadas, pois, com o passar do tempo, nada daquilo que pretendeu almejar, foi alcançado. Mas essa opinião agora, como mero engano, é completamente diferente. As árvores secas são fontes de fortaleza e resiliência. Resistiram com o passar dos dias e permaneceram exatamente onde estão, sem folhas, flores ou frutos, para nos demonstrar que tudo na vida passa, mesmo isso seja tão óbvio.

Agora seca, nada mais a incomoda. Seja qual tempestade, ventania, ou pedregulhos que ousam atormentar seu caminho. Árvore seca é e está. E para ela isso basta. Não há mais o que reclamar e em relação às demais árvores saudáveis com suas folhas ninfetas, não há incômodo, pois no interior do seu ávido tronco, a chama da esperança já esvanecida não inveja mais nada de outrem. Um dia pensei em como uma árvore seca se sentia ao estar plantada de frente a uma árvore florida. Fiquei pensativo ao extremo, mas a resposta veio em seguida: observei que por entre seus galhos solitários, muitas nuvens se projetavam acima, fazendo-a única, ímpar. Nada mais a declarar.