A GUERRA DOS COQUEIROS

Por Alex Maktub 29/10/2021 - 12:28 hs

Era uma vez um mundo encantado. Nele dois reinos divididos por um longo rio, dominavam este reino com orlas turísticas, pássaros típicos e uma vegetação tão rica que era invejada por outros reinos paralelos à realidade. Mas havia um grande empecilho que atrasava o progresso da Tribo dos Ipês. Um Plantador de Coqueiros. Durante muitos e muitos anos, essas tribos rivais duelavam para alcançar um único objetivo: qual tribo seria a responsável por enfeitar naturalmente a avenida da orla turística.

A Tribo dos Ipês argumentava que, se fosse a vencedora, atrairia muitos visitantes que, pasmos com a beleza natural das suas flores, valorizariam ainda mias o ambiente. Tentava convencer os organizadores do reino que, suas flores formariam um lindo tapete natural, e ao contrário do que diziam, suas flores e folhas não eram sujeira, e sim um atrativo a mais para quem ali decidisse visitar.

A Tribo dos Coqueiros argumentava que as flores dos ipês atrapalhavam todos que por ali decidissem andar. Sem contar que forravam o chão que ficava muito sujo, e seu colorido, atrapalha os pedestres que se distrairiam ao andar à beira rio.

Adivinhem... Quem foi a tribo vencedora?! O comandante do reino, volta e meia consultava seu instrutor, que por acaso, havia comandado o reino vizinho por longos e pesados anos. Tanto que um jornal, veículo de comunicação entre os reinos vizinhos, os denominava como “um sendo cria do outro”. E assim aconteceu. O instrutor e o aprendiz. A Tribo dos Coqueiros fora eleita a vencedora, pois, segundo os que diziam, não atrapalharia mais a vista, nem deixaria sujeira pelo chão (salvo engano). A Guerra dos Coqueiros estava terminada. Azar da população.